domingo, 29 de janeiro de 2023

O Perfil do Terceiro Governo de Lula

Renascido das cinzar, o terceiro período de Lula como presidente começa a se desenhar. A conjuntura é bastante diferente daquela dos dois períodos entre 2003 e 2010, que por sua vez mostraram um Lula bem diferente daquele dos palanques nos anos 80 e 90. Lula não cessa de se reinventar.

Uma discussão recente aqui perguntava se o Lula atual é realmente de esquerda. Eu diria que sim, mas está mais sintonizado com a esquerda globalista pós-guerra fria, enquanto os fundadores do PT eram oriundos da esquerda revolucionária dos anos 60 e 70 (e alguns até hoje não se livraram de todo dessa influência). Por isso Lula não enfatiza a luta de classes, mas prioriza as políticas "afirmativas" de inclusão de populações e grupos marginalizados. Isso traz benefícios, sem dúvida, mas o lado ruim é que essas políticas são frequentemente inspiradas e financiadas por entidades globalistas (são mesmo a marca de um mundo globalizado), entre as quais se incluem numerosas ONG´s com financiadores obscuros, e há o risco de obedecerem a objetivos que não são os locais, mas os globais (isso acontece sobretudo com as políticas voltadas para os índios). Não sei até que ponto Lula vai se deixar manipular por esses globalistas, ou vai impingir a sua marca pessoal.

O lado fraco de Lula, a meu ver, é a política econômica: eu o classifico como um getulista tardio. Em seus dois primeiros mandatos ele tentou reativar o nacional-estatismo getulista que marcou vários governos dos anos trinta até os anos oitenta, quando entrou em colapso, sendo sua maior patologia o inchaço do estado. No início dos anos 2000, Lula contou com uma conjuntura internacional favorável, que de fato permitiu que ele reavivasse artificialmente aquelas políticas estatizantes e nacionalistas, mas quando o tempo bom acabou, a Nova Matriz Econômica estourou nas mãos de Dilma, e foi aberto o caminho para a queda do PT.

Cumpre notar que seu antecessor entrou com um discurso totalmente oposto, dizendo-se liberal e anti-estatista, mas na prática pouco realizou nesse sentido. O que não me espanta, pois Bolsonaro é um grande admirador do regime de 1964, que foi justamente o que levou ao auge o nacional-estatismo, criando miríades de empresas cujos nomes terminavam em "bras", até quebrar o estado e levar o país ao caos inflacionário.

OK, Lula não é mais o barbudo revolucionário dos anos 80 que elogiava Fidel Castro e queria deixar de pagar a dívida externa. Mas não se tornou direitista; no máximo, um social-democrata. Compreendo o temor que muitos têm com essas guinadas de Lula no espectro ideológico, são frequentes os exemplos de esquerdistas que migram para a direita mais radical. Carlos Lacerda foi um dos mais notáveis, mas não o único; há numerosos outros como o falecido Olavo de Carvalho, e não por acaso: trata-se da comprovação do parentesco entre a direita fascista e a esquerda socialista.

O senso comum considera uma o antônimo da outra, mas examinando a História, vê-se que ambas derivam do mesmo tronco: as tensões sociais e nacionais do tempo da revolução industrial. O verdadeiro antônimo do socialismo não é fascismo, mas o liberalismo a que chamam "democracia burguesa". A revolução industrial acirrou o antagonismo entre patrões e empregados, assim como o antagonismo entre as potências, que disputavam mercados e fontes de matérias-primas em um mundo que não era globalizado, mas retalhado por impérios. Desse impasse surgiram doutrinas que pregavam a superação dos sistemas político e econômico que emergiram da revolução francesa (taxada de "revolução burguesa"). Os socialistas pregavam a extinção da classe patronal mediante uma revolução mundial que unisse todos os trabalhadores, ao passo que os fascistas pregavam a união em torno do Estado, a quem caberia mediar os conflitos entre patrões e trabalhadores, e lançar-se à guerra para obter os impérios que atenderiam às demandas por mercado e matéria-prima. Como se vê, então, migrar de um para o outro necessita apenas a troca de alguns paradigmas: do internacionalismo operário para o nacionalismo fascista, da extinção da classe patronal para o controle desta pelo Estado. De resto, eram ambos regimes de  partido único e organizações de massas, bandeiras e divisas altissonantes.

Outra suspeita que tem sido com frequência lançada contra o PT é de que seja um partido anti-religião, mais ainda nesse momento em que as igrejas evangélicas pendem para a direita bolsonarista. Não, o PT não é um partido comunista ateísta, embora desde o início tenha dado um viés político a suas crenças religiosas, sob influencia da Teologia da Libertação. Mas ao guinar para a esquerda pós-guerra fria, adotou bandeiras globalistas que iam em rota de colisão contra a mentalidade conservadora e religiosa da maioria da população, como a defesa do aborto e do homossexualismo. Sob este aspecto, ironicamente, os direitistas estavam mais sintonizados com os setores populares. Foi de fato um grande tiro no pé, que contribuiu para o desprestígio e queda do PT. Lula até agora não deu sinais claros se continuará nessa linha em seu terceiro mandato. Se uns acham que convém não discutir política e religião, em minha opinião convém ainda menos misturá-las.

E o resto é pagar para ver.

terça-feira, 10 de janeiro de 2023

Os Bolsonaristas e a "white trash" americana

Os eventos recentes mostram que os bolsonaristas têm uma base social surpreendentemente numerosa. De onde veio tanta gente, e por que têm tanta raiva? É nesse ponto que emerge um paralelo entre os bolsonaristas e a chamada "white trash" norte-americana, que constituíram os apoiadores mais devotos do ex-presidente Donald Trump, que não coincidentemente, manifesta uma grande afinidade com o ex-presidente Jair Bolsonaro, e tal como ele, foi derrotada por bem pequena margem em sua tentativa de reeleição, e tal como sucede aqui, manifestantes enraivecidos invadiram a sede do legislativo. Tanta coincidência não teria uma motivação?

A "white trash" norte-americana é como se chama a classe trabalhadora branca que se sente mais incomodada com a presença de negros e imigrantes concorrendo por seus empregos, e sobretudo pelos fundos do Estado, e por este motivo pende fortemente à direita - contrariando o senso comum ainda muito em voga por aqui, de que a classe trabalhadora é essencialmente esquerdista. Outros ingredientes nesse meio social, como a intrusão de pessoas "diferentes", podem efetivamente mudar o rumo desse grupo para a direita, fenômeno já antigo nos EUA, mas até o momento não observado aqui. Afirmou um comentarista:

De qualquer forma, tais fatos alegados - falsos ou reais - como sabemos, desagrada uma parte da população americana, a saber, parcelas do povo branco, norte-americano.
Adicione-se que, parte dos afro americanos, sobrevivem com a "pensão social" destinada pelo Estado; o que causa nos brancos americanos, parece que principalmente nos "white trash", um ressentimento muito grande; tendo em vista que eles consideram que o benefício estatal destinado aos afro americanos mais pobres, é oriundo dos seus rendimentos, anteriormente convertidos em impostos.

A questão levantada é: tanta coincidência entre eventos ocorridos nos EUA e aqui são evidência de que já existe no Brasil uma numerosa classe trabalhadora ressentida com os benefícios que um governo de esquerda concede aos mais pobres?

A analogia deles com a white trash norte-americana, a meu ver, é limitada. Uma característica marcante da classe trabalhadora americana é a sua consciência de serem pagadores de impostos, portanto sustentadores do erário público - daí que não se agradem com a ideia de que seus impostos são usados para sustentar aqueles que (supostamente) não pagam impostos.

Essa arraigada crença de que quem paga impostos deve ter o controle do Estado vem dos primórdios da nação norte-americana, cuja revolução foi motivada por cidadãos que se julgavam espoliados por pagarem impostos que eram apropriados pelo administrador britânico ao invés de aplicados ali. Esse pensamento nunca ocorreu com a mesma ênfase no Brasil, onde o Estado tem sido tradicionalmente visto como um patrono dono de fundos supostamente infinitos, a quem cabe prover a população (visão muito endossada por líderes populistas), e não como mero síndico de uma receita de impostos finita.

A noção de que "cidadão" é sinônimo de "aquele que paga impostos" foi herdada do colonizador britânico pelos norte-americanos. Remonta, de fato, ao tempo da Magna Carta, que limitou o poder do rei de instituir impostos a sua vontade, e foi reforçada pelas revoluções que instituíram o parlamento como agente do poder. Inicialmente, apenas os pagadores de impostos podiam votar e ser votados, o que fazia pleno sentido no contexto político e social da época, posto que as funções dos primeiros parlamentos se reduziam à gestão de impostos, e por conseguinte, a representatividade política era da alçada somente daqueles que pagavam os impostos, e de ninguém mais. Só gradualmente a atuação dos parlamentos foi estendida à legislação em todas as áreas, e as prerrogativas de cidadão foram estendidas a toda a população nacional.

Se tal educação política permitiu aos norte-americanos um entendimento perfeito quanto aos direitos e deveres de cidadãos e governantes, por outro lado induziu uma intolerância contra todos aqueles que, em sua visão, trapaceiam nesse arranjo, e supostamente querem ter direitos sem arcar com os respectivos deveres. Não sei até que ponto os bolsonaristas brasileiros incorporaram esse discurso, mas a impressão que tenho é de que sua identificação com os apoiadores norte-americanos de Trump origina-se apenas de um paralelismo entre a posição social de uns e outros, e não de um compartilhamento de ideologia. Sob esta óptica, os bolsonaristas continuam sendo um produto de uma fenomenologia social tipicamente brasileira, e não de discípulos ou imitadores. Mas se nos EUA essa história já é antiga, aqui é nova. Só podemos esperar para ver.

quarta-feira, 28 de dezembro de 2022

Velha Discussão: Lula é de esquerda?

Muitos acharão inusitada essa colocação. Há alguma dúvida de que Lula é de esquerda?

Sim, há, e o próprio Lula tem incrementado essa polêmica de tempos em tempos. Ele surgiu na política brasileira como um outsider, sem passar pela matriz dos esquerdistas históricos nacionais, que é a universidade. Não acredito que Lula tenha alguma vez lido um autor marxista, e menos ainda se interessado pelo assunto.

O caso é que, nas últimas décadas, o sentido de "esquerda" ficou bastante difuso. O fenômeno deve-se sobretudo ao período durante e logo após o regime militar, quando havia um glamour em apresentar-se como de esquerda, mesmo por quem não era de esquerda, enquanto a direita era abominada, mesmo por quem era de direita, por ser associada à ditadura. O resultado é que na época atual, um direitista como Bolsonaro é facilmente definido e reconhecido, mas um esquerdista pode ser muita coisa. Eu vejo Lula como basicamente um líder personalista, cuja maior habilidade é reinventar-se conforme o contexto do momento. Assim, ele já repetiu discursos de esquerda no passado, bem como já foi capaz de declarar secamente "que não era de esquerda". Tem sido assim desde o tempo de sua primeira prisão, ainda na época do ABC, quando ao ser inquirido se era comunista, respondeu: "não senhor, sou torneiro-mecânico".

De resto, Lula é, estranhamente, uma criação da direita. Refiro-me ao regime de 1964, que afastou boa parte dos dirigentes sindicais de então. Antes de 1964, os sindicatos eram loteados pelos partidos, mais precisamente entre o Partido Trabalhista de Vargas e o PCB. O quadro sindical foi, então, renovado com uma nova geração de dirigentes aceitos pelo governo, submissos ao governo, sem dúvida. Mas ao menos originados do chão da fábrica, e não dos partidos políticos. Lula entrou nesse leva, e fez o caminho inverso: primeiro o sindicato, depois o partido político.

E não menos estranhamente, foi o regime de 1964, tido como de direita, o responsável pela liquidação da direita partidária no país, ao cassar Carlos Lacerda e outros líderes proeminentes, posto que não queria nenhuma alternativa civil ao poder. Nunca mais surgiria uma direita intelectualmente brilhante no país, e o espaço por ela deixado foi ocupado por políticos provincianos sem outra ideologia que a busca de favores do governo. A direita atual não tem raízes da era pré-1964, e parece motivada mais pelo desalento da população do que por alguma esperança concreta no futuro.

E o espaço deixado pela esquerda histórica, cujo tempo histórico já passou, será ocupado por Lula? Ele ainda tem um pouco de tempo, embora escasso. Bem, isso depende de saber se ele vai ou não vestir a roupagem de esquerda nessa legislatura. E após Lula, surgirá uma nova esquerda no país?

O futuro está difícil de prever.

segunda-feira, 31 de outubro de 2022

Lula Lá

Apesar da exígua margem, a mais estreita da história republicana, aconteceu o previsto: Lula será o próximo presidente.

Quem acompanha meu blog sabe que eu deploro a falta de renovação da política brasileira. Lula já teve dois mandatos, e terminando mais esse, será (creio eu) o mais idoso presidente que já governou o país. Mas a bem dizer, não devo estranhar, nem lamentar que Lula esteja de novo no comando da nação. Muitos, como eu, não nutrem grande simpatia por ele, e de fato custou algum tempo até que se reconhecesse que Lula foi o personagem que mais encarnou as poucas qualidades e os muitos defeitos dos brasileiros de sua geração. Sem retórica, Lula tem mesmo a cara do Brasil - para o bem e para o mal.

Resta esperar, agora, que ele preserve a boa imagem legada por seus primeiros dois mandatos, e não se arrisque a colocar tudo a perder agora no fim de sua carreira, quando a lembrança que ficará para a posteridade será a deste último mandato. As perspectivas são boas, pois algo que Lula sempre mostrou saber bem cuidar, é da própria imagem. Lula sempre soube se reinventar, e mais não se diga, diferente de Bolsonaro e de Sérgio Moro, Lula sempre foi um político - ele sabe negociar e fazer alianças. Não tem grandes escrúpulos em defender aliados patifes, nem em entregar o pescoço deles quando é necessário para salvar o próprio pescoço. Mas assim é o mundo político. Como diz o ditado, aqueles que têm nojo à política são governados pelos que não têm.

domingo, 9 de outubro de 2022

O Passado Está à Frente

Não deveria dizer que o futuro está à frente?

Mas alguém já disse que o Brasil tem um grande passado pela frente, e essa afirmação nunca foi tão verdade quanto agora, que a presidência é disputada por dois candidatos que emergem de um passado já meio mítico. Entre um e o outro, apenas o burburinho dos mesmos personagens de sempre com suas intenções de voto nanicas, atestando a incapacidade do quadro político de se renovar.

Bolsonaro encarna o regime militar de que não tomou parte por não ter idade à época, mas que transformou em ideal, embora sua política nada tenha a ver com o nacional-estatismo do tempo dos generais. Lula encarna uma utopia que vem lá do século 19, o operário no poder, e credencia-se em dois mandatos bem sucedidos mas já afastados no tempo, quanto usufruiu de uma conjuntura mundial favorável que não se repetirá agora. A ausência de renovação mostra que o país chegou a um impasse, sem ideias ou projetos originais, muito menos utopias. Há muito que não somos mais o país do futuro - o futuro agora está na Ásia, naqueles países que poucas décadas atrás eram mais pobre do que nós. Com o fim da Guerra Fria, nossa parte do mundo também perdeu toda a importância estratégica para o Ocidente, e tornou-se, de fato, um subúrbio pobre do Ocidente, o que já era antes, mas pelo menos havia esperança.

Podemos, então, afirmar que quem quer que vença o segundo turno, não devemos esperar nenhuma novidade, só mais do mesmo. Certo? Nem tanto. Se Bolsonaro vencer, penso que essa premissa é verdadeira, pois o atual presidente parece esgotado de projetos, e sem forças para levar adiante suas pretensões ditatoriais. Mas se Lula for o vencedor, eu não me arrisco a prever. Lula tem uma inusitada capacidade de se reinventar, o que de fato é seu segredo, pois do contrário ja teria se desmoralizado pelas muitas eleições em que foi derrotado desde 1990, ou em razão do período em que esteve preso.

Como será o Lula de 2023? Há duas hipóteses. Ele pode repetir o Lula de 2010 com seu getulismo tardio, e reeditar a Nova Matriz Econômica em um cenário totalmente adverso, talvez deixando a bomba estourar no colo de seu sucessor, como fez com Dilma Rousseff. Ou então pode usar sua habilidade e seu carisma para criar um clima de confiança, como fez em 2002, e finalmente deixar para trás os modelos superados e enviar o país para algum futuro, senão o ideal, ao menos algum futuro.

Infelizmente há uma terceira hipótese. Ele pode querer preservar a imagem do Lula bem sucedido de seus dois mandatos anteriores, e conduzir uma administração sem grandes ousadias. Aí sim, teremos o passado à nossa frente.

domingo, 25 de setembro de 2022

Dois Personagens Injustiçados

O tempo está bom para falar de reis. O bicentenário da independência e o falecimento da rainha Elizabeth da Inglaterra puxam o assunto. Hoje vou abordar dois personagens tão importantes quanto injustiçados de nossa História: dom João VI e Pedro I.

O rei dom João é apresentado como um glutão bonachão e medroso, e seu filho, o futuro primeiro imperador do Brasil, como um rapagão mulherengo, grosseiro e ignorante a ponto de ser considerado quase um semi-analfabeto. Tanto um quanto o outro isentos de qualidades de estadista.

Mas primeiro de tudo faltou colocá-los em seu devido contexto histórico. O parvo João moveu-se em um verdadeiro olho de um furacão, tendo reinado em um dos períodos mais conturbados e de mais súbitas mudanças de toda a História Universal. De príncipe a rei, sem ter sido educado para tal, pois não era o herdeiro. Da Europa para o Brasil. De absolutista a constitucional. Do Brasil colônia a país independente. Passou por todas essas transições e permaneceu no poder, enquanto outros reis muito mais poderosos e melhor preparados eram depostos e exilados. E mais não se diga, inserido em um ambiente doméstico tão inóspido quanto o ambiente político.

Segundo de tudo, é preciso desmitificar a suposta fuga de João, que dizem, escafedeu-se deixando o seu povo a ver navios, daí ter surgido essa antiga expressão, pois a população de Lisboa ficou vendo os navios do rei sua comitiva ao longe enquanto as tropas de Napoleão chegavam. Mas é preciso dizer e repetir: João não fugiu. Tivesse fugido, seria apenas mais um rei no exílio. Mas continuou reinando, pois junto com ele, foi transportada toda a máquina governamental, incluindo o funcionalismo, os arquivos, o tesouro, a biblioteca que está aqui até hoje, e até uma tipografia completa. Uma operação de logistica complicadíssima para a época, mais ainda por ter sido planejada em total sigilo, que nunca antes fora executada, nem jamais o seria depois. Dom João VI foi o primeiro e o último monarca a visitar suas colônias na América - hoje isso pode parecer estranho, mas na época não se justificava de modo algum um rei meter-se em um navio para uma viagem arriscada e desconfortável, que tomaria mais de três meses tanto para a ida quanto para a volta, perfazendo bem um ano de ausência na metrópole.

A transferência do reino para outro continente foi uma façanha extraordinária e única, que já bastaria para tornar João admirável. Mas ele continuou a ser considerado um governante fracote e pusilânime, que sempre postergava decisões, supostamente por medo de tomá-las. Mas de postergação em postergação, o rei sobreviveu a todas as crises políticas e impasses militares daquea época conturbada, deu um grande impulso ao Brasil, que deixou de ser colônia, e ainda foi bem recebido de volta a Portugal, a terra de onde supostamente havia fugido correndo. Parece-me bem falso que João não tivesse qualidades de estadista.

Já dom Pedro é lembrado por haver tido dezenas de amantes e filhos naturais, bem como por seus modos grosseiros e sua boca cheia de palavrões. Não deixa de ser verdade. Mas se esquece que tal libertinagem era a regra para todos os reis e nobres da época. Uma espécie de compensação: sabia-se que reis e nobres tinham que sacrificar sua vida privada em prol de interesses políticos, com casamentos arranjados, mas ao mesmo tempo eram homens poderosos e acostumados a ter seus prazeres satsfeitos. Então lhes era concedida uma tolerância para casos extraconjugais que não se extendia à burguesia e ao povo.

É verdade também que o rapaz Pedro preferia expressar-se em linguagem coloquial, e por vezes conduzia-se como um rude homem do povo. Mas também é verdade que os arquivos da Biblioteca Nacional guardam muitos documentos bem escritos pelo próprio punho do imperador, em linguagem adequada. Não, Pedro não era um ignorante semi-analfabeto como muitos imaginam; ele teve, sim, uma educação de príncipe. Também é absurdo afirmar que não tinha qualidades de estadista um homem que aos 24 anos já havia feito a independência de um país que era quase um continente inteiro, e antes dos 36 anos já havia conduzido e vencido uma guerra em Portugal contra o usurpador do trono de sua filha, deixando tanto o Brasil quanto Portugal com regimes constitucionais, em uma época em que a monarquia absoluta estava em alta após as guerras napoleônicas. Pedro agiu bem e agiu mal, mas sobretudo, agiu sempre, quando poderia ter simplesmente se retirado para os bastidores e ali levado uma sossegada vida de pândega e fudelança.

Não vejo outra razão para o pouco caso com que são tratados esses personagens tão importantes de nossa História, senão como um sinal de profunda falta de autoestima. Antes que os outros zombem de nós, nós mesmos nos zombamos.

sábado, 17 de setembro de 2022

A Monarca e a Nação

A notícia que dominou a mídia na última semana foi o falecimento da rainha Elizabeth II da Inglaterra. Entende-se que um personagem tão simpático desperte uma justa comoção ao partir deste mundo, e de fato, a falecida soube como poucos conduzir-se como uma rainha deve ser, separando com discrição a vida pública da vida privada.

Muitos, contudo, não julgarão o ocorrido algo diferente da morte de alguma socialite ou artista muito popular. Mas eu insisto que Elizabeth foi mais do que isso. O que é a monarquia no mundo atual? Um regime de espetáculo, politicamente inútil e muito dispendioso, ao qual só alguns países muito ricos e tradicionalistas podem ser dar ao luxo de manter, certo? Custa caro, mas não afeta o funcionamento do governo, digo a vida de quem efetivamente governa. Desperta a nostagia de um passado quando os governantes era figuras garbosas, tão diferentes dos políticos que querem se passar por homens do povo, mas o que importa é que, garbosos ou não, aqueles que governam são referendados pelo povo. Ponto. Ficou no passado a dicotomia Monarquia/Aristocracia X República/Democracia.

Mas afinal, se a monarquia é um regime onde o povo não governa, como explicar que no mundo atual todos os regimes monárquicos sejam democracias exemplares, e todas as ditaduras são ou foram regimes republicanos?

Aí temos que recorrer à História e acompanhar a evolução dos regimes monárquicos, de absolutistas a constitucionais, até chegar à mera encenação de espetáculo que tornaram-se no tempo presente. O caso mais emblemático foi o da Inglaterra. Difícil hoje pensar em uma Inglaterra onde não haja um rei. Já dizia um certo personagem cujo nome eu esqueci, no futuro so restarão cinco reis: o rei de copas, o rei de espadas, o rei de ouros, o rei de paus e o rei da Inglaterra. Mas nem sempre foi assim. A Inglaterra foi o primeiro lugar do mundo moderno onde o regime monárquico foi seriamente questionado, ali pelo século 16. Um rei perdeu a cabeça, mas depois chegou-se à concusão de que o melhor mesmo era ter um rei, e a monarquia foi restaurada. Mas até o fim do século 18 foi um regime bastante desastrado, com reis mais interessados na vida dissoluta do que nos assuntos de estado, o que abriu espaço para que o parlamento e o primeiro ministro concentrassem cada vez mais o poder.

A monarquia britânica só consolidou-se de fato e tornou-se benquista com o reinado da rainha Vitória, e de certa fora foi ela, e não a tirânica Elizabeth I, a precursora da falecida Elizabeth II. Com a agitação social resultante da revolução industrial, surgiu a demanda por um governo que incutisse respeito à população, e a jovem rainha mostrou-se a figura ideal. Vitória tornou-se o protótipo do governante que, com sua conduta pessoal ilibada, dá legitimidade ao regime e às hierarquias sociais que o sustentam. Apesar de nunca haver mostrado interesse pelas demandas populares e não esconder sua preferência pelos conservadores, Vitória gozou de bons índices de aprovação popular a maior parte de seu reinado, em razão do poder e prosperidade alcançados pelo Império Britânico, e por sua vida exemplar na companhia do marido, sem os escândalos e adultérios que haviam até então marcado a família real. Aí foi gestado o conceito que ganhou o nome de moral burguesa, oposta à lassidão dos aristocratas, mas também devendo servir de modelo às classes trabalhadoras.

Elizabeth II reproduziu sem grandes volteios o papel de Vitória. Então, a monarquia não é mero resquício inútil de épocas passadas, ela teve uma função ao construir o presente dos países mais evoluídos do globo, e por isto é mantida com esmero por estes. O monarca não governa, mas reina; ele não está vinculado a um partido, mas à nação; e como tal, reúne em torno de si um poderoso simbolismo que mantém acesa a mística da nacionalidade. Faz-nos muita falta algo assim, tal como também falta a tantas outras repúblicas imperfeitas ou meramente repúblicas de fancaria pelo planeta afora. Mas já o tivemos. Terá sido coincidência que o país foi o único do continente que obteve sua independência com um regime monárquico, e também o único que manteve-se íntegro, sem fragmentar-se em dezenas de republiquetas? Terá sido por acaso que o Segundo Reinado foi bem mais estável política e economicamente do que a república que o sucedeu?

O papel de nosso último monarca foi bem resgatado em um memorável artigo que o escritor Monteiro Lobato publicou no longínquo ano de 1918. Ele procurava explicar como a época da monarquia podia ter sido tão menos conturbada que os tempos republicanos que estava vivendo então, se o povo e a classe política eram essencialemente os mesmos. Ele chegou à resposta: a presença de dom Pedro II:

Pedro II era a luz do baile.


Muita harmonia, respeito às damas, polidez de maneiras, jóias de arte sobre os consolos, dando ao conjunto uma impressão genérica de apuradíssima cultura social.


Extingue-se a luz. As senhoras sentem-se logo apalpadas, trocam-se tabefes, ouvem-se palavreados de tarimba, desaparecem as jóias…